domingo, junho 07, 2009

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

Nataniahu mandou avisar que vai fazer o seu grande discurso sobre sua visão de paz e segurança para Israel e o Oriente Médio.

Se ele se define categoricamente a favor da colocação do Obama, ele perde toda sua coalizão. Se afirmar que não vai desmontar coisa nenhuma, entra em atrito extremamente crítico com o governo americano.

As opções são: falar muito e dizer coisa nenhuma. Essa opção é normalmente a predileta do Nataniahu e assim tem feito até agora. Vai servir para adiar o problema, o que, no caso do problema de manter-se em seu cargo, não deixa de ser uma solução.

Outra opção é falar muito e não fazer absolutamente nada depois. Típico do clássico político israelense. É curioso que vendo hoje uma entrevista com a líder da oposição Tzipi Livni me deu a impressão de que é o que ela faria se estivesse na posição de primeiro ministro hoje. É também a teoria de Gideon Levy. Neste caso, vai ser complicado, porque por um lado, há a pressão da coalizão para principiar a construção em vários pontos da Cisjordânia. E de outro lado, há o governo dos EUA, esperando ação exatamente inversa.

Terceira opção: Fazer a vontade de todo mundo, dizer que espera ações do lado palestino também, e que dará cada passo baseado no passo do outro lado e afins. É o mais provável que vá fazer, o que traduzindo em miúdos, significa fazer absolutamente nada, porque hoje, politicamente, economicamente e militarmente, o governo do Fatah não tem qualquer condições (nem sobre a população nem sobre o Hamás) de fazer qualquer coisa.

É provável que não importa o que diga, o objetivo principal neste ponto será ganhar tempo.

Ação e Reação;

O governo de Israel decidiu reclamar aos EUA que a construção em cidades já existentes na Cisjordânia, acompanhando o crescimento natural da população é um ato perfeitamente legítimo. Resposta do governo americano: Legítimo se essas cidades, depois de um acordo sobre as fronteiras finais, ficarem do lado de Israel. Querem conversar sobre fronteiras finais? Vamos nessa!

E a conversa acabou nisso - por enquanto.

5 comentários:

pait disse...

Não tendo a concordar muito com o Gideon Levy, mas a teoria dele está certa. Hoje o político israelense só tempode escolher uma entre duas respostas ao Obama: Sim, ou Sim senhor.

Gabriel Paciornik disse...

Nem eu. Mas dessa vez acho que ele acertou.

Henrique disse...

Não vejo solução para o problema dos assentamentos. Para resolver isso Israel teria que escolher entre uma guerra civil ou uma guerra com os palestinos. Precisa falar mais?

Pax disse...

Gabriel,

Você pararia ou continuaria com as construções nas cidades da Cisjordânia?

Abraços!

Anônimo disse...

Os sunitas venceram no Líbano, o Khatami vai eleger seu indicado, o Natanyahu vai cair e volta a Tzip Livni e os anos 10 ficarão gravados na história como a "era dos moderados". Quem viver verá...